Notícias

Anvisa autoriza remédio a base de maconha para tratamento do autismo

Escrito por Marielly Campos

Essa é a primeira vez que o órgão permite que o medicamento seja prescrito para a doença

Da Redação

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou na última semana a prescrição de um medicamento produzido com óleo de cânhamo, rico em canabidiol – substância química encontrada na cannabis sativa (maconha) – para o tratamento de um paciente portador de TEA (Transtorno do Espectro Autista).

Esta é a primeira vez que o órgão permite a prescrição do óleo de cânhamo para o tratamento da doença no país. O medicamento é produzido pela HempMeds® Brasil.

Clique e veja também:

Identificação precoce do autismo ajuda no tratamento
Exames cerebrais de ressonância podem identificar autismo antes dos primeiros sintomas

Em 2015, a agência reguladora já havia liberado a importação de medicamentos à base de canabidiol e THC para qualquer condição clinica que o médico julgar apropriado. Em fevereiro deste ano, a Anvisa permitiu a prescrição do medicamento da HempMeds para o tratamento de um paciente com a da doença de Alzheimer.


O tratamento à base de canabidiol também é utilizado para combater os efeitos da esclerose múltipla e epilepsia refratária no Brasil.

O Transtorno do Espectro Autista

O TEA (Transtorno do Espectro Autista) é um distúrbio do neurodesenvolvimento que se desenvolve na infância e é caracterizado por dificuldades de interação social, deficiências verbais e físicas, e padrões restritos e repetitivos de comportamento.

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), cerca de 70 milhões de pessoas estejam no espectro do autismo. De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, uma em cada 68 crianças nos Estados Unidos atualmente têm TEA. No Brasil, estima-se um número de até dois milhões de casos de autismo, e cerca de metade destes casos ainda não diagnosticados.

* Foto: Marcelo Camargo/AgBr

Sobre o autor

Marielly Campos

Deixe o seu comentário