Fases Saúde

Chegou a hora de escolher o pediatra? Saiba o que levar em consideração

Escrito por Redação

O especialista acompanha a criança desde o primeiro dia de vida, até o fim da infância

Da Redação

Profissional é também um aliado para ajudar tirar dúvidas sobre o desenvolvimento da criança - Carin Araujo/ Free Images

Profissional também será aliado para ajudar tirar dúvidas sobre o desenvolvimento da criança – Foto: Carin Araujo/ Free Images

O pediatra é a pessoa que será uma espécie de “braço de direito” dos papais nos primeiros anos de vida do bebê. Ao contrário do que pensam alguns pais e mães de primeira viagem, esse profissional não irá apenas cuidar do pequeno diante das doenças, mas será um aliado para ajudar tirar dúvidas e ajudar no comportamento do bebê. As dicas vão desde como auxiliá-los a dormir a noite toda, a forma correta de amamentar e até ensinar a identificar o momento certo do desfralde, por exemplo.

O acompanhamento do pediatra seguirá até o início da adolescência. Por isso, é importante contar com um médico que te passe confiança e seja solícito em relação às dúvidas.



José Luiz Setúbal, pediatra do Hospital Infantil Sabará, dá algumas dicas que ajudam a não errar nessa escolha:

1 – Atente-se à formação e especialização do profissional
No Brasil, os pediatras passam por graduação de seis anos em medicina e depois por residência ou especialização em pediatria de pelo menos mais dois anos. Por isso, os pais devem estar atentos aos registros:

* Para o exercício da profissão o médico deverá estar registrado no CRM (Conselho Regional de Medicina) e ter o título de especialista dado pela Sociedade Brasileira de Pediatria ou alguma de suas afiliadas ou outras sociedades que tem especialidades pediátricas;

* É possível buscar nomes e informações de pediatras qualificados nos sites da Sociedade Brasileira de Pediatria; da Sociedade de Pediatria de São Paulo e do Conselho Regional de Medicina de São Paulo.

2 – Converse com o profissional
Os pais podem ligar para o consultório dos pediatras que pesquisaram ou receberam indicação de amigos e parentes. A recomendação é ser transparente: explique que está procurando um pediatra para seu filho e que gostaria de informações sobre o médico, sua formação, bem como os procedimentos gerais do consultório. Aqui está uma lista geral que pode ajudar no primeiro contato:

• Onde cursou a residência/especialização médica?
• É Pós-graduação? Tem outros títulos ou especializações?
• Atende em algum hospital?
• Atende o paciente se precisar de internação?
• Atende em maternidade?
• Trabalha com planos de saúde?
• Como faz quando sai de férias ou em finais de semana?
• Faz vacinas no consultório?
• O consultório está convenientemente localizado?
• É facilmente acessível por carro ou transporte público?
• Qual é a política do médico para atender e retornar telefonemas?
• Há uma enfermeira do escritório que pode responder a perguntas de rotina?
• Existe outro médico para cobri-lo quando necessário?
• Quem responde as chamadas de telefone quando o consultório está fechado ou durante as férias

3 – Observe a postura do profissional
Os pais devem observar há um interesse genuíno do médico pelos problemas de seu filho.

4 – Tenha percepção geral do ambiente
O médico e a equipe do consultório foram amigáveis e atenciosos? Demonstram compaixão e paciência?

5) Cheque como funcionam as consultas em caso de doenças agudas
O consultório permite atendimento no curto prazo se o seu filho precisa do pediatra por causa de uma dor de garganta ou infecção mais sérias, por exemplo?

6 – Perceba como o médico se comunica
Verificar se o profissional se comunica com clareza, usando a linguagem do leigo (sem jargões médicos) para explicar as doenças e tratamentos também é bastante importante. Afinal, precisamos ter respostas claras e instruções precisa. Note se ele se esforça para assegurar que todas as suas perguntas são respondidas.

7 – Verifique os valores cobrados para não ter surpresas
Saiba quais são os valores usuais do médico para as visitas à criança doente, exames de rotina e imunizações, por exemplo.



Sobre o autor

Redação

Deixe o seu comentário