Desenvolvimento Comportamento Saúde

Exames cerebrais de ressonância podem identificar autismo antes dos primeiros sintomas

Escrito por Marielly Campos

Condição se caracteriza pela dificuldade na comunicação social e comportamentos repetitivos

Da Redação

A descoberta abre novas possibilidades para terapias imediatas, com as crianças e também com os pais – Foto: HolgersFotografie/PixaBay

Pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, afirmam que é possível detectar o autismo nas crianças antes que os sintomas comecem a surgir. Segundo os estudiosos, a condição pode ser identificada a partir de exames cerebrais de ressonância magnética. As informações são da emissora britânica BBC.

O estudo foi publicado pela revista Nature e mostra que as origens do autismo estão no primeiro ano de vida – atualmente o diagnóstico é feito a partir dos dois anos de idade e em alguns casos costuma ser ainda mais demorado.




A pesquisa analisou 148 crianças que foram submetidas a exames de ressonância magnética aos seis, 12 e 21 meses de vida. Em alguns casos, foram verificadas diferenças iniciais no córtex cerebral, parte responsáveis pelas chamadas funções de alto nível, como a linguagem. Posteriormente, essas crianças foram diagnosticadas com a condição.

Clique e veja também:
Identificação precoce do autismo ajuda no tratamento

Segundo o estudo, uma em cada cem pessoas tem a condição. O médico Heather Hazlett, um dos pesquisadores, os exames indicam que as diferenças no cérebro geralmente ocorrem em crianças com alto risco de autismo. Com a descoberta, abrem-se novas possibilidades para terapias imediatas – tanto com as crianças quanto com os pais, para prepará-los para lidar com os filhos autistas.

Ainda de acordo com a publicação, com a descoberta será possível prever quais crianças desenvolverão autismo com até 80% de precisão.

Autismo

O autismo ou o TEA (transtorno do espectro autista) é uma condição permanente diagnosticada, geralmente, na infância. Esses distúrbios se caracterizam pela dificuldade na comunicação social e comportamentos repetitivos, segundo informa a organização Autismo e Realidade.







Sobre o autor

Marielly Campos

Deixe o seu comentário